Maria Cecília e Rodolfo fecham festival sertanejo


Frio intimida o público, mas festival sertanejo se consagra na capital
ma
As estrelas Victor & Leo, Fernando & Sorocaba e Maria Cecília & Rodolfo, que se apresentaram no segundo dia do Sertanejo Pop Festival, não foram suficientes para levar o mesmo número de público do primeiro dia da festa sertaneja, no sábado (13). No entanto, cerca de 20 mil pessoas devem ter passado pela festa neste domingo (14).

O frio e a garoa fina que caiu em São Paulo desde a manhã deste domingo não contribuíram para o segundo dia do evento na Chácara do Jockey.

Era notável o numero reduzido do público, se comparado ao dia anterior, que contou com shows bem animados de Gusttavo Lima e Jorge e Mateus, entre outros.

Evento sertanejo reúne os principais nomes da música e celebra o ótimo momento do pop rural

Quem abriu a festa no Dia dos Pais foi a dupla Relder & Allan, vencedora de um concurso no Domingão do Faustão (Globo) e que, por isso, ganhou o direito de se apresentar no festival sertanejo. Eles esquentaram o público para a chegada de Victor & Leo ao palco, com mais de uma hora de atraso.

A dupla mineira, consagrada não só no sertanejo, fez o show mais romântico dos dois dias de festa. Com discurso diferente dos demais artistas, que pregam a pegação em suas canções, eles passearam pelos sucessos de quase 20 anos de carreira [que serão completados no ano que vem], com suas declarações de amor. De Não Precisa a Ela Não Vai Mais Chorar, Victor e Leo fizeram muitas fãs se emocionar.

Você sabe cantar os hits do sertanejo? Aprenda aqui

Aprenda a tocar os sucessos das atrações do Sertanejo Pop Festival

Logo subiu ao palco o porta-voz dos pegadores Michel Teló. Ele cantou os hits dos xavequeiros Ei, Psiu, Beijo me Liga, Fugidinha e a nova, Ai se Eu te Pego. Esta, inclusive, tornou-se o bordão dos garotos para atrair a mulherada no festival. Michel, em um bate-papo com a imprensa minutos antes, disse estar muito feliz em ter acertado em cheio a linguagem da moçada.

- Gosto de xavecar em cima do palco e de cantar esse tipo de música.

Quase ao final de sua participação na festa sertaneja, Michel desceu do palco e atravessou a pista vip para cantar I Gotta Felling, do Black Eyead Peas, no meio da galera. Do repertório das pistas, o paranaense cantou também Panamericano, sucesso que Fernando & Sorocaba também repetiu em seguida.

A dupla já pegou a Chácara do Jockey com um público menor. O frio e a garoa não deram trégua a ninguém. Mesmo assim, Fernando entrou dentro de uma bola transparente e mergulhou no modesto mar de gente na pista vip. Performance que é comum nas apresentações do cantores.

Com tantas canções estouradas nas paradas, eles deixaram boa parte de lado para fazer releituras de sucessos na voz de outras estrelas, como Um Beijo e Você Não Sabe o que É Amor, de Luan Santana, que foram compostas por Sorocaba.

Depois, veio Munhoz e Mariano. Os sertanejos, que capricharam no rebolado e deixaram a mulherada enlouquecida, cantaram hits como Te Quero Bem, Comendo Água e Sonho Bom, além de resgatar sucessos de outros artistas. De canções de fora do repertório próprio eles trouxeram faixas como Balada, de Gusttavo Lima, e o funk Sou Foda, do grupo Avassaladores.

O público já estava bem menor quando Maria Cecília & Rodolfo assumiram o microfone. O casal de namorados não decepcionou os fãs fieis que não arredaram pé do local mesmo com mais de uma hora de atraso.

No show, além de sucessos Três Palavras, Coisas Esotéricas, O Troco e Tchau Tchau, Maria cantou pela primeira vez em um show a canção Mais uma Vez do Jota Quest. E emendou Aceleraê, de Ivete Sangalo.

Passava de meia noite quando a dupla colocou fim à festa que promete voltar no ano que vem.

Fonte : R7.com

 

 

 

 

 

Todos os direitos reservados ao Clube Sertanejo (c) 2000 - Os direitos deste Site, Conteúdo, imagens  são de nossa propriedade não podendo ser copiado e nem editado sem prévio consentimento do autor Todos os desenhos e personagens são feitos em parceria com o desenhista  LUIS CARLOS SALGUEIRO não podendo ser reproduzidos nem copiados.

CD ONE Corporation do Brasil (c) 1995